“As Eleições Autárquicas na Maia”

Em Outubro próximo, daqui a pouco mais de três meses, os portugueses vão ser convocados para votar nas Eleições Autárquicas de 2017.
O cenário político é imprevisível e tudo depende da forma como os eleitores encararem estas eleições com características muito próprias. São eleições locais, onde mais do que votar em partidos se vota e elege pessoas que garantem uma linha de continuidade ou de mudança. De facto, em eleições locais de pouco ou nada servem as ideologias de esquerda, do centro ou de direita. O que verdadeiramente conta é a confiança que os autarcas que vamos eleger nos desperta, as provas dadas no exercício dos cargos ou profissões, o seu grau de experiência na boa gestão da coisa pública, os seus antecedentes como pessoa ao serviço do bem comum, a sua seriedade e competência política e, sobretudo, a sua capacidade de servir.
Porque ser Autarca é , essencialmente, estar ao serviço dos seus munícipes e eleitores proporcionando-lhes bem estar e qualidade de vida.
As eleições Autárquicas, do próximo dia 1 de Outubro, apresentam na Maia uma excentricidade vista pela primeira vez nestes quarenta e três anos da nossa já adulta democracia: o Partido Socialista, desde sempre o maior partido da oposição, vai a votos de uma forma encapotada, apoiando um candidato que se diz Independente, em coligação com um partido de uma cidade da Madeira, designado J.P.P. – Juntos Pelo Povo, que não tem na Maia , ou se calhar no continente um único militante, mas que serve para esconder, sob a sua capa, uma lista de conhecidos personagens que não estavam dispostos a dar a cara em listas do Partido Socialista.
De facto é um casamento estranho, ainda por cima apadrinhado por responsáveis do Partido Socialista como Manuel Pizarro, indefectivel apoiante de candidaturas independentes e da Secretária Nacional Ana Catarina Mendes, que , um pouco por toda a parte, foi deixando o PS em cacos, por manifesta inexperiência e incompetência.
Como os sondagens recentemente evidenciaram, existe todo um contexto favorável a uma expressiva vitória do Partido Socialista no plano nacional, com o PS próximo dos 45% das intenções de voto e o PSD a ficar-se nos 25%, o que colocaria os socialistas em maioria absoluta se …fossem Eleições Legislativas. Mas não são e por isso o contexto, a maturidade política dos portugueses e , sobretudo a qualidade dos candidatos ás Câmaras e Juntas de Freguesia, levarão os portugueses a fazer a escolha certa.
Somos um povo simples, por vezes ingénuo, mas temos dado provas ao mundo de que não temos nada de parvos. Mas este contexto favorável e a mudança de ciclo no PSD, por força da limitação de mandatos, torna incompreensível a ” desistência ” do PS em ir a votos com os seus candidatos e listas próprias. Para a esmagadora maioria dos militantes socialistas é uma demissão inaceitável e para o eleitorado maiato uma situação incompreensível, um embuste que precisa de ser bem explicado.
Na realidade, Francisco Vieira de Carvalho ora diz nos jornais QUE NÃO É CANDIDATO DO PS, como logo a seguir está presente na Convenção Nacional do PS, de apresentação dos seus candidatos ás Câmaras. E se na sua página do facebook o PS é uma palavra omissa, com apoio dos seus seguidores que lhe dizem para ” se afastar do PS “, a verdade é que nos seus outdoors,, espalhados em grande profusão por todo o concelho lá aparece o símbolo do PS, o maior partido nacional, ao lado do JPP, o mais insignificante partido…da ilha da Madeira.
Os eleitores maiatos esperam que haja uma explicação para esta ” salada á moda da Maia ” e , já agora , o que quer o candidato e a coligação ” UM NOVO COMEÇO “, dizer. Começar de novo O QUÊ ?

Colocar de novo a Maia como um dos Municípios mais endividados do País, com uma dívida que ultrapassava os 200 milhões de euros e obrigou o seu sucessor, Engº Bragança Fernandes a doze anos de saneamento financeiro ? Voltarmos ao tempo das obras megalómanas de que são um belo exemplo as Piscinas Olímpicas onde sete milhões e meio de euros foram transformados em resíduos ? UM NOVO COMEÇO DE QUÊ ? Do regresso dos empreiteiros ” escolhidos a dedo ” que encheram o baú, transformando campos de batatas e bouças, em urbanizações e construções de má qualidade,sem qualquer planeamento urbanístico ? Do regresso á subsidiodependência das coletividades desportivas onde eram gastos por ano mais de cinco milhões de euros, sem qualquer retorno, como é o caso da extinta União Ciclista da Maia ? Do regresso á total ausência de políticas sociais, da sua concentração na Misericórdia , deixando todas as IPSS entregues á sua pobreza ? De dez anos sem PDM e que foi um autêntico ” fartar vilanagem ? ”

A MAIA não quer que o tempo volte para trás, não há nada, absolutamente nada que precise de começar de novo .O que o nosso querido concelho precisa é de EVOLUIR NA CONTINUIDADE, porque estamos num patamar muito superior em qualidade de vida, em política de ambiente, em acessibilidades e rede viária, em apoio á infância e á terceira idade, em empregabilidade e qualidade da administração pública. Em TUDO !

Percebe-se no conteúdo do enigmático slogan da coligação UM NOVO COMEÇO , com o inconcebível apoio do Partido Socialista, uma tentativa de Francisco Vieira de Carvalho , em pretender fazer uma clonagem , abusiva, desrespeitosa e herética do falecido e inesquecível autarca, seu pai. Como disse há tempos o Prof. Sobrinho Simões, um dos maiores patologistas mundiais, o ADN ou os genes, não se transmitem nas lideranças nem nas competências.
A candidatura de Francisco Vieira de Carvalho, um simples promotor imobiliário, nos termos em que foi e está a ser feita, não é digna de invocar o ” santo nome de seu pai, em vão ” Na verdade, os continuadores da obra de Vieira de Carvalho, naquilo que teve de positivo, são precisamente aqueles com quem traçou o rumo desta terra que tanto amamos: o Engº Bragança Fernandes, o seu predileto Engº Silva Tiago, e uma equipa de Autarcas que nas Juntas de Freguesia soube corporizar, em tempos de ” vacas magras ” o ideal de colocar a Maia e as pessoas EM PRIMEIRO LUGAR.

A mais de três meses das eleições, o Concelho já está inundado de cartazes e outdoors com a simpática foto do candidato independente e os emblemas em baixo, dos partidos socialista e madeirense que o apoiam. Até um carro de som já percorre o município numa ação precipitada e ridícula, além de ilegal. Mas o povo sabe que não se pode exigir a um tocador de cavaquinho, que toque violino, apesar dos instrumentos serem parecidos.
A grande curiosidade consistirá em assistir á coerência dos socialistas da Maia, nomeadamente do seu perdedor carismático Jorge Catarino, derrotado em cinco eleições e , agora também apostado , NUM NOVO COMEÇO. Também ele quer começar de novo, O QUÊ ? Mas não deixará de ser um momento histórico vermos figuras locais como Dª Albina , a inefável Isabelinha, ou a virgem ofendida Carlos Teixeira ,de punho no ar, a gritarem : PS,PS,PS. Vamos a eles !…. No próximo jornal faremos a nossa ANÁLISE ao PSD/ CDS e aos outros partidos concorrentes. Até lá façam o favor de ser muito felizes . Um abraço do

António Teixeira
RESISTÊNCIA PS da Maia

3 comments

  1. Paulo Manuel Rodrigues Martins Couto

    Este senhor está mal informado quando afirma “extinta União Ciclista da Maia” o clube continua a existir e com vitalidade no ciclismo nacional. Se considera que o dinheiro gasto com o ciclismo na Maia no passado foi errado talvez não tenha a percepção da importância que este teve na divulgação da Maia no país é no mundo, coisa que outras modalidades no concelho com verbas idênticas não conseguiram até agora.

  2. Manuel Pesqueira

    Senhor António Teixeira, eu sou Socialista e membro efectivo da A25 (Associação 25 de Abril) e não penso assim, não sou tão saudosista das asneiras PS do passado como o senhor, pelo contrario, penso que os Socialistas fizeram tão mal ao partido e a minha querida Maia, que a solução mais divina que apareceu foi a de apoiar um Grande Homem, o Dr Francisco Vieira de Carvalho, em que eu, que estive afastado do PS cerca de 20 anos, por vossa causa, e tendo regressado há cerca de 4 anos, para lutar contra os dois “sindicatos de voto” existentes no PS Maia, apoio incondicionalmente este Grande Homem, e espero que ele dei-a de facto para a Maia, um novo começo. Aviso-vos solenemente que se pensam lutar contra Francisco Vieira de Carvalho, vão ter pela frente um adversário muito difícil de roer, esse adversário sou eu, e não me forcem a desenterrar o machado (tenho muito para contar) sobre tudo quanto de mal vocês , que se dizem socialistas, fizeram a minha querida Maia.

    Sou quem vocês sabem, e se não sabem deveriam saber;

    Manuel Pesqueira

  3. Joaquim Sousa

    Parece que a maior virgem ofendida é o senhor António Teixeira, que além de ser um político incompetente, que nada fez pela Maia, não se lhe reconhece qualquer legitimidade para falar da forma que fala de quem pretende uma mudança no Concelho da Maia. Parece que o único ofendido é exatamente o senhor e uns pretensos socialistas que querem manter esse partido em segundo plano neste concelho. Quem sabe agora irá conseguir um tachinho do outro lado ao ser um “Resistente”. pergunta-se “Resistente” de quê? O PS bem como a candidatura FVC, ignoram-no e parece que isso o está a corroer. Acho-o demasiado pretensioso para as suas modestas capacidades académicas e profissionais, mas a outra candidatura está a usá-lo e o senhor nem se apercebe disso, tal é a soberba pretensiosa que o senhor encabeça, mas que os restantes decidiram ignorar, e isso o senhor não está a aguentar.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *