São esperados em Lisboa mais de 40 autocarros provenientes de todos os pontos do país.

O movimento “Sobreviver a Pão e Água” fará uma grande manifestação de carácter nacional, frente à Assembleia da República, na próxima quarta-feira, dia 25 de novembro, pelas 15.30h.

Chefe Albino

Recorde-se que este movimento junta profissionais de várias áreas que se sentem penalizados pelas medidas restritivas impostas pelo Governo, e que se agravaram com o Estado de Emergência. Este é o 4º protesto do movimento que, no passado dia 13 de novembro, juntou centenas na Avenida dos Aliados, havendo, no entanto, alguns momentos de tensão com as forças de autoridades.

No sentido de não repetir o episódio, “o movimento “Sobreviver a Pão e Água” apela ao respeito pela segurança e à boa conduta de todos aqueles que se pretendem juntar ao protesto, pedindo que se façam ouvir de forma ordeira, pacífica e em respeito pela Lei”.

Segundo comunicado enviado às redações no dia 20 de novembro, “são esperados em Lisboa, até ao momento, mais de 40 autocarros provenientes de todos os pontos do país“.

Esta demonstração irá unir, à semelhança das anteriores concentrações, profissionais de vários setores de atividade, tais como comércio, cultura, hotelaria, restauração e respetivos fornecedores.

Segundo o mesmo comunicado, esta “data de 25 de novembro está carregada de um simbolismo acrescido, uma vez que se trata do dia limite para o pagamento de impostos ao estado, numa altura de claro desespero e incerteza em que os empresários e colaboradores de vários setores se encontram”.

As 16 exigências para com o Governo

Estes profissionais têm 16 exigências para com o Governo e garantem que “o nosso pretexto só termina quando as medidas forem efetivamente aplicadas”. Questionam “como é possível um negócio, estando fechado, e sem data de abertura prevista, poder fazer uma gestão eficaz dos seus recursos e ao mesmo tempo suportar encargos” e garantem que “o duradouro silêncio do Estado é avassalador.

O movimento “exige apoios financeiros (a fundo perdido) de forma a compensar os prejuízos que tem vindo a acumular”. Entre as 16 mediadas estão os “Apoios imediatos ao setor dos bares e discotecas, eventos, restauração, comércio e todos os fornecedores diretos e indiretos”, a “Reposição do horário, quer de restaurantes e bares, quer do comércio local”, a “Redução no pagamento das rendas” e o “Reforço imediato das linhas de crédito, retirando limitação de acessos às novas linhas a quem já recorreu às linhas anteriores”.

Covid-19. Sexto dia acima de seis mil casos e Cuidados Intensivos em novo máximo

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.