Mais de mil e duzentos maiatos perderam o emprego e a situação no município é pior do que a média da região e do país.

Após meses a registar mínimos de desemprego em vários anos, a pandemia da Covid-19 veio inverter por completo a tendência que se vinha a registar na Maia ao nível do emprego, de acordo com a análise dos dados publicados no final de junho, pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Cozinca

Apenas entre fevereiro e maio, ou seja, desde o início da pandemia da Covid-19, há mais 1202 pessoas desempregadas no concelho, um crescimento de 32,8% que vem evidenciar o forte impacto da Covid-19 no mercado de trabalho. Comparando maio deste ano com o mesmo mês do ano anterior, o crescimento do desemprego é ligeiramente mais lento mas mesmo assim não menos notável. Em 12 meses há mais 856 desempregados (+21,3%).

No distrito do Porto o crescimento do número de desempregados é percentualmente mais evidente na Trofa (+69,1%), Vila do Conde (+51,0%), Felgueiras (48,9%), Lousada (+40,6%) e Maia (+32,8%). O crescimento mais lento acontece nos municípios de Baião (+19,48), Marco de Canaveses (+19,47) e Penafiel, (+19,2%).

No mesmo período, ou seja, entre fevereiro e maio de 2020, o número de desempregados cresceu 21,8% em Portugal, enquanto que na região Norte o aumento foi de 25,7%.

Evolução do número de desempregados entre fevereiro e maio de 2020, em municípios vizinhos

Unidade Geográfica Fevereiro 2020 Abril 2020 Variação
País 315 562 384 504 21,8%
Norte 124 337 156 260 25,7%
Trofa 1 007 1 703 69,1 %
Vila do Conde 2 233 3 371 51,0 %
Maia 3 670 4 872 32,8%
Gondomar 5 988 7 873 31,5%
Valongo 3 625 4 617 27,4%
Matosinhos 6 380 8 062 26,4%
Santo Tirso 2 377 2 987 25,7%
Porto 9 736 12 078 24,1%
Vila Nova de Gaia 13 440 16 492 22,7%

Governo prevê taxa de desemprego de 9,6%

O Governo prevê uma taxa de desemprego este ano de 9,6% e de 8,7% em 2021, segundo o cenário macroeconómico que integra o Programa de Estabilização Económica e Financeira. Em 2019, a taxa de desemprego foi de 6,5%, segundo dados do INE.

A taxa de desemprego desceu para 5,5% em maio, menos 0,8 pontos que em abril e menos 1,1 pontos que no mesmo mês de 2019, segundo dados provisórios anunciados no inicio de julho, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em maio, as candidaturas aprovadas das empresas para esquemas de apoio à retenção de emprego, como o lay-off simplificado, abrangeram 33% dos trabalhadores dependentes em Portugal, o sexto maior valor na OCDE, indica o Employment Outlook publicado esta terça-feira. Medida ajuda a explicar por que é que o desemprego não disparou. A lista é liderada pela Nova Zelândia, com 66,3%, seguindo-se a França, com 54,9%, a Suíça, com 45,4%, a Itália, com 45,2, e a Áustria, com 36,8%.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.