Investigadores do ISMAI integram equipa do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto que quer entender o impacto da covid-19 em mulheres vítimas de violência de género no Porto.

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), em conjunto com diferentes instituições, vão estudar o impacto da pandemia na violência de género. O estudo arranca em agosto, será feito com mulheres do Porto e o objetivo é criar ferramentas de intervenção para os contextos de crise.

Nonna Vespa

Além de investigadores do ISPUP, a equipa integra membros da Universidade de Vigo, da Universidade Rey Juan Carlos, do Instituto Universitário da Maia (ISMAI) e da Escola Nacional de Saúde Pública/FIOCRUZ. O financiamento é de 27 149 euros. Esta é uma das 16 investigações apoiadas pelo programa “GENDER RESEARCH 4 COVID-19” da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

Em declarações à Lusa, José Caldas, investigador do ISPUP, explicou que o estudo surge depois de Portugal, durante o período em que vigoraram as medidas de confinamento obrigatório, ter registado uma descida (-33%) nas participações por violência de género.

“Em Portugal, contrariamente a outros países, o número de participações baixou. Algo estranho porque em Espanha, que não é muito diferente de nós a nível social e na forma de estar e viver, e em Itália, os números aumentaram. Só Portugal é que tinha realmente baixado”, afirmou, acrescentando que os dados contrastam com a subida de 60% no número de casos na Europa.

Nesse sentido, os investigadores vão identificar e caracterizar o impacto da pandemia da covid-19 na violência de género no Porto, principalmente nas freguesias mais vulneráveis da cidade.

Paralelamente, vão ouvir as vítimas que pediram apoio social nas freguesias com mais casos de violência de género e as assistentes sociais que lá trabalham e que “são os primeiros elementos de um grande exército na luta contra a violência de género”.

“Queremos ver como foi o comportamento da população vulnerável nas freguesias do Porto. Este é um ótimo momento para trazermos a nu o que se passa na cidade”, referiu José Caldas.

Covid-19: há neste momento 946 casos na Maia

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.