Estes migrantes são todos jovens adultos e oriundos de países como a Guiné Bissau, Paquistão ou Senegal. Escaparam da violência e procuram um futuro melhor.

Os Missionários da Consolata, em Águas Santas, acolhem atualmente 22 migrantes escapados da violência dos seus países. São todos jovens adultos e oriundos de dez países como Camarões, Gâmbia, Gana, Guiné Bissau, Libéria, Nigéria, Paquistão, Senegal, Serra Leoa e Togo.

Cozinca

Recorde-se que, no final de setembro de 2020, o antigo Seminário de Águas Santas, agora Centro Missionário José Allamano, recebeu nove destes refugiados.

Trata-se de uma parceria com o Alto Comissariado para as Migrações e em articulação com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, onde os refugiados são acolhidos por um período de 18 meses, com o objetivo de integração plena. Recebem alojamento, alimentação, vestuário, educação (aulas de Português, sobretudo), apoio social e psicológico, apoio jurídico e processual, com vista à socialização e empregabilidade.

O Jornal de Notícias conta, na edição de dia 10 de maio, a história de Zayed Bin Hanif, um jovem com 19 que, em 2018, escapou de Sialkot, no Paquistão. “Deixei os meus amigos e a minha família no Paquistão e não posso sentir-me bem por isso, mas o que podia fazer por mim? A minha família no Paquistão também não era boa boa para mim”, disse o jovem paquistanês em reportagem do JN.

Depois de três anos a tentar chegar à Europa, acabou num campo de migrantes, onde foi detetado pelo Alto Comissariado da ONU para os Refugiados. Nessa altura, foi direcionado para Portugal.

“Tenho família em Portugal e adorei vir para cá. Na Grécia não me concederam muitas facilidades. Aqui, em Portugal, estou muito melhor. Posso estudar e trabalhar”, afirma.

“Isso é bom para o meu futuro. Portugal é um país lindo. Adoro as pessoas. Têm-me muito respeito”, completa o jovem.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.