Em causa estão mensagens “de ódio contra a polícia”, exibidas em cartazes, durante as manifestações contra o racismo e a violência policial.

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) quer que os manifestantes que exibiram cartazes que “incitaram ao ódio contra a polícia”, sejam punidos e exigiu esta segunda-feira o apuramento de responsabilidades, condenando tais comportamentos. Em alguns cartazes, exibidos em Portugal, havia mensagens como “polícia bom é polícia morto”.

DS Crédito

No passado sábado, milhares de pessoas saíram às ruas de Lisboa, Porto, Coimbra, Braga (entre outras) contra o racismo e a violência policial, replicando os protestos realizados noutros países na sequência da morte do afro-americano George Floyd, em maio, asfixiado por um polícia nos Estados Unidos da América.

Nesse sentido, a APG exige ao Ministério Público e tribunais que tomem uma posição “contra este tipo de comportamento, em nome da paz pública, designadamente no sentido de punir os seus responsáveis” e transmitir a mensagem de que em Portugal “o incitamento ao ódio é crime seja qual for a motivação.

PSP também vai apresentar queixa no MP

Também a Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) já anunciou que vai apresentar uma queixa no Ministério Público contra os manifestantes que que carregaram os ditos cartazes.

Segundo a ASPP/PSP, a queixa, por crime de “incitação ao ódio”, será apresentada no Ministério Público contra “todos aqueles que exibiram através de cartazes ou de qualquer outra forma, durante as manifestações, mensagens que promovem ou incentivam ao ódio contra os profissionais da polícia“.

Identificado um dos autores dos cartazes

Também nesta segunda-feira, a Polícia de Segurança Pública anunciou ter identificado o portador de um destes cartazes exibidos na manifestação no Porto.

A PSP informou que não procedeu à identificação e detenção dos suspeitos da prática desses atos na manifestação por considerar que essa intervenção “poderia ser incorretamente interpretada e, consequentemente, potenciadora da ocorrência de indesejáveis desordens num evento que se pretendia pacífico”.

A PSP repudia qualquer tipo de extremismo e discriminação, independentemente de terem por base questões rácicas, políticas, profissão religiosa, nacionalidade, de orientação sexual, desempenho profissional ou outras”, lê-se no comunicado divulgado. A PSP afirma que estes cartazes são um “incentivo à violência contra polícias e, portanto, passíveis de se constituírem como ilícitos criminais”.

 

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.