Num país a três velocidades há quem nunca vá sentir o que são layoffs, despedimentos, falências e ficar sem consulta no SNS. O setor público não perde um cêntimo, o Novo Banco e a TAP recebem milhares de milhões de euros e os privados definham para mais tarde pagar isto tudo, por ordem do Governo. A pandemia veio colocar a nú as assimetrias que já conhecíamos.

Cozinca

Existe uma massa de portugueses que cria riqueza, paga impostos e é constantemente mal tratada. O valor financeiro gerado pela iniciativa privada permite que o Governo injete milhares de milhões em buracos como o Novo Banco e a TAP, enquanto assistimos ao galopante aumento do desemprego, ao aterrador encerramento de empresas e à queda vertiginosa do setor que mais contribuiu para o país nos últimos anos.

No país do Estado gordo e ineficiente, há negócios obrigados a não trabalhar e que são deixados ao abandono. Não estão largados à sua sorte, se assim fosse, como é timbre do setor privado, criariam as suas próprias condições de sobrevivência. Pior do que o abandono, é a obrigação à mordaça Estatal.

Com o encerramento dos negócios, o governo valida o perecimento dos mesmos ou, no melhor dos casos, permite-os “sobreviver a pão e água”.

O turismo foi um dos setores que teve a felicidade de conseguir trabalhar sem o Estado. As companhias aéreas privadas democratizaram o acesso a viagens e trouxeram milhões de turistas às cidades portuguesas. A iniciativa privada nacional fez o resto. Especializou-se e criou negócios. Valorizou o que de melhor tem Portugal.

Com mais de 100 mil postos de trabalho criados e consequente aumento das contribuições para o país, em forma de impostos e taxas, este foi o grande motor da economia bem como a tábua de salvação do Governo. Com uma equipa a jogar assim, até Centeno parecia Cristiano Ronaldo.

Dizem os mais ferrenhos que bastou vir uma pandemia para um liberal se transformar num socialista a pedir apoios ao Estado. Ignoram, espero que por distração, que é a própria intervenção do Estado que está a matar o mercado.

É uma questão de saúde pública. Pois bem, confine-se, obrigue-se ao distanciamento social. Precisamos de defender o SNS. Muito bem. Mas pague-se para isso. É inaceitável que o Governo encerre um estabelecimento e não indemnize o proprietário. Uma verdadeira atrocidade.

Com negócios fechados há meses, como podemos assistir impávidos à injeção de milhares de milhões de capital em bancos e empresas que estão falidas há anos, enquanto vemos a loja e o restaurante da nossa rua a encerrar?

Que soluções tem o Governo para enfrentar esta nova crise, que se julga pior do que a de 2008? Como vai o Governo pagar a providência social gerada por este 2020? Não será mais económico proteger já as empresas? Como vai o Governo solucionar o problema das consultas que não são realizadas e dos exames de rastreio que ficam por fazer?

Uma coisa parece ser certa. Durante os próximos anos alguns vão continuar a receber o seu ordenado e vão até ser aumentados, outros vão ver as suas empresas a ruir, outros irão recorrer ao fundo de desemprego. O Estado? Esse vai continuar a perpetuar as assimetrias do país e a injetar o nosso dinheiro em já conhecidas e desconhecidas fossas que por aí existem.

Aldo Maia, Diretor

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.