No passado sábado, dia 25 de julho, passou quase despercebida a manifestação antifascista e antiracista que teve lugar em Lisboa.

Nonna Vespa

Ao contrário do que noticiou a RTP nos breves minutos que dedicou a esta iniciativa, a 2ª Mobilização Nacional Antifascista nada teve que ver com o episódio do assassinato de George Floyd, em Minneapolis.

Neste país tão orgulhoso do passado dos descobrimentos e da colonização é muito difícil refletir e conversar sobre coisas como o racismo estrutural, a xenofobia e a discriminação de pessoas racializadas. Tranquiliza-nos mais pensar que se tratou de um evento sem significado, mais uma marcha para protestar contra algo que aconteceu do outro lado do Atlântico.

Na realidade, a manifestação apartidária foi organizada pelo Núcelo Antifascista do Porto e pela Frente Unitária Antifascista, em colaboração com diversos outros coletivos de ativistas de Gimarães a Lisboa e com apoio de muitos grupos internacionais associados ao Movimento Antifascista, que agrega milhares de pessoas em todo o mundo na luta contra as ideias reacionárias e opressoras que estão, cada vez mais, a contaminar o mundo.
Mas então, o que terá levado mais de 100 pessoas a apanhar um autocarro para vir à capital afinar a cantoria e agitar faixas e bandeiras antiracistas?

Os e as ativistas antifascistas souberão de antemão que grupos criminosos nacionalistas e neonazis se iriam juntar nessa tarde junto ao Padrão dos Descobrimentos numa Conferência que visava aproximar politicamente esses grupos, num momento privilegiado em que há um deputado de extrema-direita no Parlamento que conta o apoio declarado de Mário Machado, neonazi condenado e preso pelo homicídio de Alcindo Monteiro há 25 anos.
Tanto quanto se sabe, não houve nenhuma tentativa das autoridades de impedir a realização dessa conferência neonazi. Alguns desses elementos já aderiram ao partido de Ventura e têm responsabilidades dentro do Chega. Não se trata de mudar a natureza de um partido em si já muito reacionário, mas de assegurarem o poder para puderem executar o seu plano de transformar o país numa sociedade onde o ódio racional, homofóbico e transfóbico impera nas instituições e controla as ruas com recurso à intimidação e à violência.

Todo o antifascista tem responsabilidades num momento em que a extrema-direita toma nas suas mãos os governos de algumas das nações mais ricas e poderosas do planeta.

No contexto da pandemia vimos aquilo que representa ter este tipo de delinquentes a chefiar governos. Quantos mais terão de morrer, quantas liberdades teremos de perder até o país acordar e perceber que o fascismo nos bate à porta?

Que esta mobilização seja lembrada, não como um episódio que tenta reavivar uma questão mas como uma iniciativa que era urgente e necessária e que se espera que seja uma ajuda no despertar das consciências de que tanto precisamos para preservar direitos e liberdades cada vez mais ameaçados.

Como dizia Einstein, “a liberdade, em qualquer caso, só é possível se constantemente lutarmos por ela”.
Se nada fizermos, será tarde demais.

Jorge Santos

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.