Com a chegada das intermináveis obras para a construção da nova variante à N14, que está a afetar a vida de muitos automobilistas na zona do Castêlo da Maia, reparei que também estão afetar um pouco a paisagem que fez parte da minha juventude mais longínqua, sobretudo na zona dos “terrenos do Campainha” entre Gondim e Santa Maria de Avioso.

O “Campainha” era um grande latifundiário, que foi gerindo o seu património com alguma mestria. Anos antes, com a construção da “Via Diagonal”, outra grande obra, que proporcionou melhores acessibilidades à população local e não só, os “terrenos do Campainha” foram esventrados, oferecendo novas vistas e paisagens.

Um local que nunca vou esquecer, devido à sua estranheza e beleza, é o “Lugar da Bicha-Moura”, uma minifloresta com altíssimas árvores frondosas das mais variadas espécies, divida a meio pela “Via Diagonal”, um lugar fantasmagórico, sobretudo à noite por falta de iluminação pública.

Perto desse fantástico “mundo verde” ao entardecer, um trolha meio alcoolizado que tentava trabalhar ouviu uns gemidos no meio do mato. O homem tentou ver se era alguém a precisar de auxílio, mas em vão, não estava ninguém. No dia seguinte, provavelmente numa tasca, fantasiou o sucedido às pessoas presentes a dizer que tinha visto um ser maravilhoso que era metade de mulher e metade de cobra, era a Bicha-Moura! O rumor espalhou-se pelas terra, suscitando um interesse desmedido pelo local para avistar o tal ser fantástico.

A população estava tão envolvida no acontecimento que até fazia parte da construção narrativa do caso. Havia relatos que a Bicha-Moura comia as galinhas dos moradores vizinhos, havia quem descobrisse a “pia” onde ela bebia e havia quem dissesse que havia encantamentos devido à sua beleza.

Toda a história tem um fim, as pessoas foram perdendo o interesse. A roulotte das farturas deixou de vender porque a romaria ao local estava a desvanecer-se. Rapidamente a Bicha-Moura foi esquecida e o lugar onde ela “viveu” já está destruído. Uma coisa é certa, os gemidos que o trolha ouviu, de fato existiram. Eu cheguei a ouvir quando me dirigiria para casa vindo da escola. Descobri que vinha de um ninho de corujas. As corujas naturalmente na época de acasalamento emitem uns guinchos agudos a que se chama “gritos de mulher”, dai a confusão auditiva do trolha alcoolizado.

Nelson Maia, Março 2020

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.