A Vice-presidente do Grupo Tintas 2000 e Vice-presidente da Comissão Politica Concelhia Maia foi anunciada mandatária de Luís Montenegro na concelhia maiata, para as eleições diretas do PSD que se realizam a 11 de janeiro. Há três candidatos para o mesmo lugar, o atual presidente, Rui Rio, acompanhado por outro social democrata do Porto, Luís Montenegro, e um candidato da área de Lisboa, Miguel Pinto Luz.

Notícias Maia: O que é “A força que vem de dentro”?
Ana Ambrósio: A força que vem de dentro é uma vontade forte e determinada de militantes de base em voltar a fazer do PSD o maior partido de Portugal, o “partido mais português de Portugal”. Um partido vivo, dinâmico, com alma e chama, organizado para ganhar as próximas eleições autárquicas e legislativas. Acredito, que a força vem dos militantes e a união vem do líder. A primeira vez que votei em 1991, votei na segunda maioria absoluta de Cavaco Silva, nessa noite enchemos a avenida dos aliados … é esse PSD que queremos de volta, é esta a força que vem de dentro.

DS Crédito

NM: Como vê esta luta interna pela liderança do PSD?
AA: Esta disputa interna pela liderança do PSD é na minha opinião importante, mais do que outras que já ocorreram. Duas candidaturas apresentam orientações estratégicas que apontam caminhos bem diferentes. O PSD está, neste momento, descaracterizado e vem de duas derrotas eleitorais pesadas. Urge afirmar-se como alternativa forte de governo.

O PSD deve ser hoje a principal força da oposição, foi o que os portugueses quiseram que fosse, uma oposição que escrutina e fiscaliza o trabalho do governo. Luis Montenegro diz que não apoiará o Governo socialista e diz muito bem. O PS governa contra os nossos princípios. Eu também não quero acordos com o PS, António Costa também não os quis connosco. Viabilizando orçamentos do PS, o PSD estaria a sustentar a governação de António Costa, e a prolongar o PS no poder, o PSD deixaria de ser visto como alternativa ao governo socialista. Não temos de viabilizar orçamentos que são o principal instrumento de persecução da politica do governo com qual nós não concordamos. A estabilidade do Governo depende dos comunistas e bloquistas, são esses os parceiros do PS. O PSD é um partido para liderar a iniciativa politica, temos de voltar a ser um partido ambicioso, que quer sempre ganhar todas as eleições. Se tivermos de ter eleições antecipadas, por esses apoios faltarem ao Governo, não há drama para o país, pelo contrário. Nós seremos a alternativa! Drama é o que vivemos neste momento.

Rui Rio tem uma posição estratégica que caso a “geringonça 2” deixe de funcionar, é a estratégia que convém ao Governo do PS. É a estratégia da resignação, da abertura a acordos políticos e da disponibilidade para viabilizar orçamentos.

No final desta “luta” é preciso saber unir todos. Luis Montenegro saberá fazê-lo.

NM: Porque considera Luís Montenegro o melhor candidato?
AA: Luis Montenegro é o melhor candidato porque estou convicta que neste momento é o mais bem preparado para afirmar o PSD como uma forte e clara alternativa ao PS. É agregador, motivador e entusiasta. É esclarecido com os princípios orientadores da social democracia, sabe indicar o caminho. É o líder certo para unir militantes e simpatizantes, somar competências, reconquistar a confiança dos portugueses e ganhar eleições.

NM: Luís Montenegro está mais à Direita de Rui Rio?
AA: Não sei se Montenegro está mais à direita, sei que Rui Rio está mais disponível para se entender com a esquerda, fazer acordos e viabilizar orçamentos com o PS, e Luis Montenegro não está.

NM: Como considera ser o posicionamento ideológico do PSD? É necessário colocar “Portugal ao Centro”?
AA: Não vejo muita relevância nem necessidade de reposicionamento do PSD, nem de clarificação da identidade ideológica do PSD. Eu não a tenho essa necessidade e estou convencida que a maioria dos militantes, simpatizantes e dos portugueses também não. Naturalmente que uma ideologia que surge no século XIX tem de evoluir para os dias de hoje.

O PSD em Portugal foi sempre considerado um partido de centro direita, ao contrario do que acontece no norte da europa que é posicionado no centro esquerda, mas isso para mim é teoria politica, ou História. O PSD é um partido que compreende a relevância do setor privado da economia, promove a iniciativa privada, assumindo o Estado um papel de regulador e fiscalizador deste sistema económico e um papel interventivo em áreas sociais, como na saúde, na educação, na habitação, na justiça, para promoção do bem estar social. Mais liberal em questões económicas e mais conservador em questões sociais.

Eu não preciso de ser esclarecida sobre este assunto, nem que reinventem o posicionamento politico do PSD. Sempre fomos um partido abrangente, tolerante, inclusivo, para quê mudar isso?

NM: Pensa que a liderança de Rui Rio está esgotada no partido?
AA: Sim, completamente esgotada. Dois anos foi um período mais do que suficiente para demonstrar que Rui Rio não tem soluções para organizar um PSD coeso, forte, combativo. Que confronte o governo em todas as suas opções. Só com um PSD assim se vencem eleições. As duas derrotas eleitorais têm de ser assumidas, se não existiu união em torno do líder é porque o líder não soube ser líder, essa competência é do líder. Não reconheço em Rui Rio características de líder mobilizador. Tem muito valor, como economista, é com certeza rigoroso nas contas e nos números que apresenta, é calculista e autoritário. Destacam em Rui Rio a sua seriedade e credibilidade, mas isso são condições necessárias mas não as suficientes para a execução de qualquer cargo de responsabilidade. Também os candidatos Luis Montenegro e Pinto Luz são sérios e dignos de confiança, não conheço nenhum motivo que indique o contrário. Mas isto não chega.

Rui Rio geriu o partido nos últimos anos, com divisões que foram conhecidas dos militante e que não são aceitáveis, com frequentes “recados” para o interior do partido. O PSD precisa de mudar de líder.

NM: Quais as perspetivas para o PSD nas próximas eleições autárquicas?
AA: As perspetivas do PSD são de vencer as eleições autárquicas, manter as câmaras que tem atualmente e ganhar as muitas que perdeu, para outros partidos e para independentes. A verdadeira implementação de um partido no terreno consegue-se com as autarquias, todos sabemos isso. Luis Montenegro já referiu que as eleições autárquicas, são uma prioridade para a sua liderança, se ganhar as diretas de janeiro de 2020, será ele próprio, enquanto líder, a coordenar o processo autárquico. O objetivo é “liderar o poder local”. Na Maia temos todas as condições para obtermos um bom resultado, melhor do que nas eleições anteriores, precisamos naturalmente, como todos os concelhos, da proximidade, e do apoio do presidente do partido.

Rui Rio diz ser demagógico e impossível em 2021 conseguirmos subir para o patamar que estávamos em 2005, “ …é impossível (..), mas é bom que se consiga subir”, eu não conheço nunca uso a palavra impossível, nas minhas empresas, a palavra impossível desapareceu do nosso vocabulário. Nós somos capazes de muito mais do que imaginamos, usamos apenas uma pequena percentagem das nossas capacidades.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.