Estamos com António Silva Tiago no dia do seu 60º aniversário. Encontramos o Presidente da Câmara Municipal da Maia bem disposto e descontraído. Tínhamos recebido o convite para participar na comemoração de aniversário organizada por colaboradores da autarquia. Este seria o momento ideal, por sugestão, para fazer algumas fotografias que poderiam ilustrar a entrevista concedida ao Notícias Maia. Numa sala com mais de 100 pessoas, cantam-se os parabéns ao autarca que já leva 32 anos de cargos públicos. Um pouco mais do que metade da idade que completava a dia 24 de setembro.

Cozinca

Por entre cumprimentos e abraços, o Salão Nobre vai-se esvaziando até ficarem apenas algumas figuras próximas de Silva Tiago. Surge nessa altura a oportunidade de capturar algumas imagens do Presidente. Afável, deixa-se fotografar e fala do seu aniversário e da sorte de naquele dia poder ir jantar com a família, coisa que não consegue fazer com a regularidade que gostaria. É quase regra trabalhar até tarde, sendo habitual ainda estar a despachar ou ao telefone à uma da manhã.

Como habitual, Silva Tiago fala com todos que lhe pretendem dirigir a palavra. Já nos habituamos. Estamos já no exterior do edifício da Câmara Municipal e é difícil conversar sem interrupções. Um maiato pára e dá-lhe um abraço. Outros, vários, passam sem parar mas fazem questão de cumprimentar o Presidente.

António Silva Tiago sente-se injustiçado. O autarca explica que por causa de uma assinatura que subscreve uma proposta que não votou nem participou na sua discussão, querem-lhe tirar o mandato que o povo lhe conferiu.

O que está em causa é um procedimento administrativo, uma assinatura sem valor executivo ou vinculativo, que subscreve uma proposta levada a discussão e votação, processos em que não participou. No entendimento do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, em decisão posteriormente confirmada pelo Tribunal Administrativo Central do Norte, vale a perda de mandato.

É este o caso. A pergunta que todos fazemos é: Deve a soberania popular ser relegada para segundo plano face aos factos provados? Os visados acham que não e recorreram para as devidas instâncias.

Não deixa de ser curioso que num Portugal que encontra tantos políticos em funções enquanto são arguidos em processos de corrupção, em que o Governo precisa de realizar códigos de conduta para evitar que os seus nomeados não recebam prendas de elevado valor monetário e em que, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, declara não se poder interpretar a “lei de forma literal”, este processo de natureza não criminal, determine uma perda de mandato.

Não tenho dúvidas que os visados atuaram estribados em aconselhamento jurídico. Mas quem os aconselhou a assinar a proposta? Porque o fizeram?

Demos a palavra a António Silva Tiago para esclarecimento dos cidadãos, fizemos as perguntas que gostávamos de ver respondidas e tentamos esclarecer, mais uma vez, este complexo processo que está longe de estar encerrado.

Aldo Maia

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.