Comércio, restauração e espetáculos voltam ao horário normal, com limite das 2 da manhã e regras da DGS.

O primeiro-ministro, António Costa, dirigiu-se hoje ao pais, desde o Palácio Nacional da Ajuda, no habitual briefing do Conselho de Ministros, que reuniu, esta quinta-feira dia 29 de julho, para tomar novas decisões quanto à situação pandémica em Portugal.

Cozinca

Para já, Portugal vai passar a ter medidas uniformizadas em todo o território nacional. A gestão da pandemia passa a ser feita “em função da taxa de vacinação”, numa “libertação” que acontecerá em 3 fases.

Os certificados serão usados de forma “intensiva” e continuam a ser obrigatórios para acesso ao interior dos restaurantes, ao fim de semana. Serão ainda usados para viagens por via aérea e marítima, nos estabelecimentos turísticos e alojamento local, nos ginásios para aulas de grupo, nas termas e spas, nos casinos e bingos, em eventos culturais, desportivos ou corporativos com mais de 1000 pessoas, em ambiente aberto, ou 500 pessoas em ambiente fechado), assim como para casamentos e batizados com mais de 10 pessoas.

1ª fase, em vigor a partir de 1 de agosto, domingo:

  • Fim da limitação horária de circulação na via pública;
  • Eventos desportivos com público, obedecendo a regras a definir pela DGS;
  • Espetáculos culturais com 66% de lotação;
  • Casamentos e batizados com lotação de 50%;
  • Equipamentos de diversão segundo regras da DGS, em local autorizado pelo município;
  • Teletrabalho passa de obrigatório para recomendado, quando as atividades o permitam;
  • Permanecem encerrados os bares e as discotecas;
  • Não são permitidas festas, romarias ou outras festividades.

2ª fase, em setembro, com 70% da população vacinada:

  • Máscara na rua só para ajuntamentos;
  • Casamentos e outras festividades com 75% de lotação, assim como espetáculos culturais;
  • Fim de limitações à lotação em transportes públicos;
  • Serviços públicos sem marcação.

3ª fase, em outubro, com 85% da população vacinada:

  • Discotecas e bares abertos, mas só com certificado;
  • Restaurantes sem número máximo de pessoas por mesa;
  • Não haverá restrições de pessoas por grupo nem limitação da lotação dos recintos.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas leem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.