Maioria dos concelhos, incluindo a Maia, avançam para a próxima fase do desconfinamento.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta quinta-feira, dia 15 de abril, as medidas para a próxima fase do desconfinamento, numa conferência de imprensa que se realizou após o Conselho de Ministros.

Na próxima segunda-feira, irá dar-se o regresso ao ensino presencial dos alunos do ensino secundário e superior (mesmo nos concelhos de maior risco), a reabertura de salas de cinema e de espetáculos assim como de lojas de cidadão, regressa o serviço de mesa e de balcão nos restaurantes e há lugar à reabertura de lojas e centros comerciais. No caso dos restaurantes, cafés e pastelarias, há um limite máximo de quatro pessoas no interior ou seis, por mesa, em esplanada, podendo funcionar até às 22.00h durante a semana ou 13.00h aos fins-de-semana e feriados.

Estão ainda de regresso as modalidades desportivas de médio risco, há lugar a eventos exteriores com limite de lotação e estão autorizados os casamentos e baptizados, com 25% de lotação.

No entanto, há 13 concelhos em situação de risco, podendo dentro de 15 dias voltar atrás no processo de reabertura, devido a uma alta incidência de casos de Covid-19. Entre eles destacam-se Valongo, Famalicão e Vila Franca de Xira, concelhos muito populosos.

Para já são sete que não avançam para a terceira fase de desconfinamento por estarem acima dos 120 casos por 100 mil habitantes a 14 dias. Tratam-se de Alandroal, Albufeira, Beja, Carregal do Sal, Figueira da Foz, Marinha Grande e Penela. Nestes concelhos mantêm-se as regras que estão atualmente em vigor — as da segunda fase de desconfinamento.

Por fim, em sentido contrário à maioria do território nacional, há quatro concelhos que recuam e voltam a estar sob as regras da primeira fase de desconfinamento. São eles Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior. Estes municípios não só não avançam no desconfinamento, como dão um passo atrás e devem cumprir apenas as regras que estavam em vigor a 15 de março. Nestes quatro territórios haverá proibição de circulação entre concelhos.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.