PSD/CDS-PP garante que oposição sabia e reconhecia que a emissão dos documentos solicitados estava sujeita a emolumentos.

Num comunicado enviado à agência Lusa, os cinco vereadores da Coligação ‘Um Novo Começo’, constituída pelo PS e pelo JPP, revelam que fizeram uma queixa à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos por lhes ter sido cobrado um valor monetário em troca de informação requerida.

Nonna Vespa

“Considera-se inaceitável que os vereadores PS/JPP tenham que pagar do seu bolso, para terem acesso à informação a que legalmente têm direito, em virtude do Estatuto do Direito de Oposição“, lê-se no comunicado. A coligação queixa-se ainda de que, ao longo de todo o mandato “grande parte desta informação foi sendo sucessivamente sonegada, apesar de repetidamente terem sido solicitadas verbalmente e por escrito”.

Na mesma nota, a coligação PS/JPP refere que, durante a reunião camarária, realizada no passado dia 19 de outubro, confrontou o presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago, tendo o mesmo reagido de forma “desrespeitosa e insultuosa”. Um “atitude” que terá levado os vereadores PS/JPP a abandonarem a reunião. “A Câmara Municipal da Maia não pode continuar a ser gerida por um executivo que se considera acima da Lei e os ‘Donos Disto Tudo’“, termina o comunicado.

PSD/CDS garante que oposição reconhecia “pagamento dos emolumentos”

Confrontado com estas críticas, o PSD/CDS-PP remeteu à Lusa um documento no qual se lê que, aquando da requisição de documentos por parte do JPP, o requerente pede para ser notificado “quando os mesmos estiverem disponíveis para pagamento dos emolumentos devidos”.

“O partido político JPP, sediado na Madeira, enviou 15 requerimentos no mesmo dia à Câmara Municipal da Maia, que deram origem à emissão de milhares de documentos certificados, obrigando uma equipa de mais de uma dezena de pessoas a trabalhar 15 dias para satisfazer os pedidos. Nos próprios requerimentos, o JPP reconhecia que este serviço estava sujeito a emolumentos. Muitos dos documentos emitidos tinham já sido entregues aos vereadores eleitos por este partido político em coligação com o PS, cumprindo-se o Estatuto de Oposição”, lê-se na resposta enviada à Lusa pela autarquia da Maia.

Na mesma resposta, a maioria PSD/CDS-PP diz ser “indigno que um pequeno partido utilize subterfúgios para entupir os serviços administrativos do Município, numa tentativa de criar factos políticos e obter espaço na comunicação social”.

Covid-19. Lar ilegal em S. Pedro Fins evacuado

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.