fbpx

Notícias Maia

Câmara da Maia confirma contactos no âmbito da Operação Éter

© DR
Partilhas

A Câmara Municipal da Maia confirmou, esta quarta-feira, ter sido contactada no âmbito das investigações às lojas de turismo feitas na sequência da Operação Éter, sobre alegada corrupção na Turismo Porto e Norte de Portugal.

As investigações envolveram as câmaras de Gaia, Gondomar e Maia. A autarquia maiata, liderada por António Silva Tiago, confirmou ter sido contactada no âmbito da Operação Éter, tendo indicado, segundo a Agência Lusa, que “a PJ pediu um dossier de contratação pública para analisar”, frisando que “nenhum autarca nem nenhum técnico foi constituído arguido”.

De acordo com o BASE, portal da contratação pública, não houve qualquer contrato entre a Tomi e a Câmara da Maia.

A autarquia de Gondomar, em março de 2014, contratou à Tomi o “fornecimento de equipamentos interativos” para a Loja por 63.800 euros. Já a Câmara de Gaia contratou por ajuste direto, em fevereiro de 2015, 33.840 euros para “aquisição, instalação e montagem, condições de manutenção e acessos, de equipamento informático e audiovisual para a Loja Interativa de Turismo de Vila Nova de Gaia”.

O socialista Eduardo Vítor Rodrigues, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, garantiu à Lusa, que “foi indagado sobre as formalidades da contratação da Loja Interativa de Turismo” e forneceu os documentos, continua a resposta, “como se impunha”.

A câmara de Gondomar referiu que “forneceu diversa documentação, sempre no habitual princípio da colaboração, quando foi solicitada pela Polícia Judiciaria, há cerca de um ano” e que “entretanto foram chamados vários técnicos e políticos para prestar declarações numa fase posterior”.

Pelo menos 40 dos 63 municípios com lojas interativas da TPNP efetuaram ajustes diretos no total de 1,5 milhões de euros com a empresa Tomi World, cujo dono foi constituído arguido no âmbito da Operação Éter.

No dia 25 de outubro, o MP deduziu acusação contra 29 arguidos (21 pessoas individuais e oito entidades coletivas), incluindo o ex-presidente da TPNP, Melchior Moreira, que se encontra em prisão preventiva desde 18 de outubro de 2018.

Câmaras da Maia, Gondomar e Gaia contactadas no âmbito da Operação Éter

COMENTE

Publicidade

Publicidade

media & meios

Newsletter

Mais Populares

Top