António Lacerda Sales lembrou que, depois de levantado o Estado de Emergência, teremos de continuar a lidar com esta “emergência de saúde pública”.

Na habitual conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal, o secretário de estado da saúde lembrou que Portugal está ainda em Estado de Emergência mas que, depois de levantado este Estado, “terá de continuar a lidar com esta emergência de saúde pública“. Este retomar progressivo da “normalidade” tem sido várias vezes abordado nas conferência e sublinha-se que esta será uma “nova normalidade” a que teremos de nos habituar que trará ainda mais responsabilidade.

Ordem dos Advogados Maia

António Lacerda Sales reforçou a ideia de que “a pandemia continua e continuará a fazer parte das nossas vidas” e lembrou os portugueses da responsabilidade como “agentes da saúde pública”. “Está em nós a missão de salvar vidas”, concluiu.

SNS atende, em média, em “menos de meio minuto”

O secretário de estado disse ainda que continua a existir a “responsabilidade acrescida em não sobrecarregar o SNS” para dar resposta à pandemia e que “o SNS24 continua a ser a “porta de entrada por excelência” no Serviço Nacional de Saúde”. Explicou que este serve de entrada para suspeitas de covid-19 mas também para outras doenças e dúvidas se é ou não necessário recorrer à ajuda médica.

“O SNS24 atende cerca de 7 mil chamadas por dia” e o “tempo médio de espera para atendimento é de menos de meio minuto“, afirmou.

Novo apelo à vacinação

A Direção Geral da Saúde tem feito vários apelos para que as pessoas não deixem de se vacinar e de vacinar os filhos contra outras doenças. Nesta quarta-feira, Graça Feiras, pediu aos pais e aos cuidadores para que “não deixem de vacinar as crianças” e que consultem os boletins de vacina para verificar se alguma vacina está em falta.

A Diretora Geral da Saúde explicou que “se baixarmos a vacinação podemos ter outras epidemias” e garantiu que “é seguro vacinar e é seguro ir aos centros de saúde“. “Não deixe de vacinar“, reforçou.

OMS afirma que 13 milhões de pessoas não foram vacinadas devido à pandemia

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.