Notícias Maia

Empresa municipal acusada por morte no Bairro do Sobreiro

Partilhas

Moradora do Bairro do Sobreiro queixa-se que falta de obras na casa levou à morte de deficiente de 33 anos. “Foi esta casa que matou o meu filho.”

É desta forma que Maria Deolinda Alves, moradora no Bairro Social do Sobreiro, na Maia, resume o processo judicial que intentou contra uma empresa municipal maiata responsável pela gestão e renovação urbana, que acusa de homicídio por negligência, omissão de auxílio, exposição ou abandono e ofensas à integridade física grave, por causa da morte do filho deficiente, de 33 anos.

Fonte da Câmara Municipal explicou ao JN que foi proposto à mulher a transferência para outras habitações, primeiro na Avenida Santos Leite e depois em Gondim, Castêlo da Maia, sem sucesso.

Fonte: jn.pt

COMENTE

Publicidade

Publicidade

media & meios

Newsletter

Top