Notícias Maia

Maia com maior risco de linfoma não-Hodgkin em cães

Partilhas

Estudo conduzido por investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas e do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, revela relação geográfica significativa entre o risco de linfoma não-Hodgkin em cães e humanos, na Área Metropolitana do Porto. O documento, a publicar em março de 2019 na revista The Veterinary Journal, é fruto de uma análise realizada entre 2005 e 2016.

Os municípios da área do Grande Porto em que os cães são mais afetados pelo linfoma não-Hodgkin coincidem de forma quase global com os municípios em que há maior risco do desenvolvimento da mesma doença pelos humanos, sendo eles Porto, Matosinhos e Maia.

É no município da Maia que se verifica o maior risco da doença em cães e, no caso dos humanos, o maior risco está no município do Porto, afirma o documento “Incidence, characteristics and geographical distributions of canine and human non-Hodgkin’s lymphoma in the Porto region (North West Portugal)”.

De acordo com o Jornal Universitário do Porto, mesmo quando se consideram ainda outros fatores, a associação da incidência de linfoma não-Hodgkin entre cães e humanos mantém-se.

Os linfomas são dos tipos de cancro mais frequentes em humanos, com uma incidência de 3% para os tipos não-Hodgkin. Em cães, representa 83% das neoplasias hematológicas. Este conjunto de cancros do sistema imunitário afeta pessoas e cães de todas as idades. No que diz respeito à sua mortalidade, é a quinta e a terceira causas de morte relacionada com cancro mais importantes, respetivamente.

Devido a partilharem frequentemente o mesmo estilo de vida que os seus donos, os animais de companhia estão sujeitos aos mesmos fatores ambientais. Doenças com forte componente ambiental, em princípio, também os afetam.

COMENTE

Publicidade

Publicidade

media & meios

Newsletter

Mais Populares

Top