A Direção Geral da Saúde tem deixado vários apelos para que as máscaras e as luvas não sejam deixadas no chão e para que sejam depositadas nos lixos domésticos. Na Maia, ainda há quem deposite estes equipamentos no chão.

Não é difícil percorrer as ruas do concelho da Maia e constatar máscaras e luvas usadas deixadas no chão. Estes equipamentos de proteção eliminados nas ruas, além de serem um ato de poluição ambiental, são também um risco para a saúde pública podendo ser uma fonte de contágio.

DS Crédito

Há alguns dias, António Lacerda Sales, Secretário de Estado da Saúde, deixou um alerta aos portugueses para que não deitem as máscaras para o chão e para que as coloquem nos caixotes de lixo domésticos.

“Constatamos frequentemente nos espaços públicos que existem muitas máscaras eliminadas”, lamentou o governante, em declarações aos jornalistas na habitual conferência sobre a situação da Covid-19 em Portugal.

O apelo que quero fazer é que essas máscaras não fossem eliminadas para o espaço público. Que fossem eliminadas para o lixo doméstico, que é, de facto, o correto, conforme indicam as autoridades de saúde”, concluiu.

Não colocar as máscaras nos contentores de reciclagem

No mês de abril, também a Secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, havia apelado, via twitter, para que as máscaras e outros materiais de proteção contra a pandemia de covid-19 fossem deitados no lixo comum e nunca nos ecopontos de reciclagem.

“É importante que todos, com o nosso comportamento, não coloquemos em causa todo o esforço e dedicação destes trabalhadores [que trabalham na recolha de resíduos e na limpeza urbana]”, afirmou a governante sublinhando que é preciso proteger estas pessoas “de material que possa estar contaminado”.

Depois de usar as luvas e a máscara descartável, retire-as de forma segura e coloque-as sempre no contentor dos indiferenciados, nunca na reciclagem”. De seguida, lave ou desinfete as mãos.

O apelo da GNR

Ainda no mês de abril, a Guarda Nacional Republicana havia feito o apelo para que as máscaras não fossem deixadas pelas ruas. Na publicação deixada nas redes sociais podia ler-se o seguinte: “Em bom português, lançar a máscara e as luvas para o chão, após a sua utilização é: a) Uma falta de educação; b) Uma fonte de contágio; c) Ambas as hipóteses estão corretas!”.

Recorde-se que têm sido várias as partilhas de imagens e vídeos de máscaras e luvas nos oceanos.

Deixamos-lhe também o nosso apelo: Coloque a máscara no lixo indiferenciado e nunca em contentores de reciclagem. Continue a ser um agente de saúde pública.

Sabe se está a usar a máscara de forma correta? Temos alguns conselhos para si.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.