A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) afirma que a reabertura dos estabelecimentos do setor poderá estar dependente das regras a adotar.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertou em comunicado divulgado na quinta-feira, dia 23 de abril, que a reabertura dos estabelecimentos do setor poderá estar dependente da definição de regras de higiene, saúde e segurança e ainda dos apoios às empresas.

Ordem dos Advogados Maia

A AHRESP esteve reunida na terça-feira, dia 21 de abril, com o primeiro-ministro, António Costa, o ministro da Economia, Siza Vieira, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, e com o secretário de Estado da Saúde, António Sales.

A associação “defende a a reabertura dos restaurantes e alojamentos mediante a “definição de regras específicas nas áreas de saúde, higiene e segurança para clientes, trabalhadores e instalações, bem como de apoios às empresas, particularmente no que diz respeito à manutenção dos postos de trabalho, bem como à compra de equipamentos de proteção individual e medidores de temperatura”.

Para “transmitir confiança aos consumidores”, a AHRESP defende que deverá ser a criado um selo que garante que as “regras de funcionamento estão de acordo com as disposições legais”.

A associação planeia igualmente criar um guia de boas práticas.

O documento a elaborar  contemplará pontos como a formação para empresários e trabalhadores, a reorganização dos espaços e da capacidade máxima, as regras de controlo de entrada nos espaços, a possibilidade de medição de temperatura corporal, regras de higiene pessoal e de limpeza, o distanciamento social e equipamentos de proteção individual.

“A preparação e confeção de alimentos; menus e serviço; procedimentos em caso suspeito: zona de isolamento e plano de contingência e requisitos específicos para self-service e buffets, take away, delivery e drive-in” devem também ser consideradas no manual.

Depois de concluído, o guia será enviado à secretaria de Estado do Turismo para validação e articulação com as diversas entidades com responsabilidades no setor.

Layoff dos estabelecimento do setor é para manter

Carlos Moura, vice-presidente da AHRESP, garantiu que “não é possível fazermos uma retoma (…) se não houver manutenção de alguns apoios para que as empresas sobrevivam e não tenham de fazer despedimentos por extinção de postos de trabalho ou despedimentos coletivos”.

O responsável defendeu o prolongamento do layoff simplificado para os restaurantes, mesmo durante a fase da retoma, por considerar que só assim é possível os estabelecimentos recuperarem gradualmente a atividade, sem perder os postos de trabalho. O ministro Siza Vieira admitiu que essa é uma realidade que pode vir a ser possível.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.