Notícias Maia

Tecmaia: Processo pode não estar concluído até o fim do mandato

© Notícias Maia
Partilhas

O caso Tecmaia tem marcado uma boa parte do mediatismo político maiato e depois da decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA), sabemos que o processo que pode resultar na perda de mandato, pode não estar concluído durante o atual mandato que termina em 2021.

Segundo os leitores do Notícias Maia, é o acontecimento de 2019. O caso Tecmaia começa em 2012, com a Troika e a Lei 50/2012, que aprova o regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais, que acabou por forçar a dissolução do Tecmaia.

O último recurso apresentado pelo visados Mário Nuno Neves e António Silva Tiago, para o STA, resultou na possibilidade de ser ilegítimo ao JPP pedir ser queixoso neste processo. O STA pediu ao Tribunal Central Administrativo Norte (TCAN) que se pronuncie sobre a legitimidade.

Se o JPP for considerado parte ilegítima?

Caso o TCAN considere o partido JPP parte ilegítima, o pedido de perda de mandato poderá ser tido como improcedente, acabando os réus por serem absolvidos.

A absolvição pode não significar o fim do processo.

Se o JPP foi considerado como parte ilegítima, é expectável que o Ministério Público recorra da decisão, apresentando a mesma queixa, voltando tudo à estaca zero. A partir daqui, é provável que o término deste processo se estenda para além do mandato em curso, que terminará nas autárquicas de 2021.

O caso

O “Projeto de Relatório de Dissolução e Proposta de Plano de Liquidação” foi concluído em 2016, ficando a dissolução da empresa aprovada em reunião de Câmara a 31 de outubro.

Depois disto, já em 2018, as Finanças, fruto de uma ação inspetiva ao Tecmaia, reestruturou liquidações adicionais de IVA relativo aos exercícios de 2013 a 2016, no valor de €1.336.395,14 e de IRC relativo ao exercício de 2015, no valor de €136.189,95, assim como juros compensatórios correspondentes, num valor global de €1.472.585,09.

O Serviço de Finanças da Maia instaurou contra o Tecmaia dois processos de execução fiscal para cobrança coerciva destas quantias.

A Câmara Municipal da Maia discordou e apresentou uma reclamação graciosa, pedindo a anulação das liquidações adicionais de IVA, que tem vindo a vencer, em tribunal, tem já visto serem anulados alguns destes valores. 

O Chefe do Serviço de Finanças da Maia determinou a preparação da reversão do processo de execução fiscal, contra Bragança Fernandes, Silva Tiago e Mário Nuno Neves, na qualidade de administradores do Tecmaia, para cobrança coerciva do montante global de €1.472.585,09. Apesar da reclamação anteriormente apresentada, a Autoridade Tributária, considerando que o Tecmaia está extinto, notificou para “audição prévia” os anteriormente referidos Presidente e Vogais do Conselho de Administração.

A maioria aprovou, em reunião de Câmara, uma proposta subscrita por todos os elementos do executivo, membros da Coligação PSD/CDS-PP, para o pagamento “das quantias em dívida relacionadas com as execuções fiscais instauradas contra o Tecmaia.

Este procedimento administrativo, fruto de queixa no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, do partido JPP, resultou em 2019, na perda de mandato de António Silva Tiago e Mário Nuno Neves. Decisão confirmada pelo Tribunal Central Administrativo Norte.

Os visados recorreram assim para o Supremo Tribunal Administrativo, que colocou em causa a legitimidade do JPP em pedir a perda de mandato, pedindo ao TCAN que se pronuncie sobre o caso.

Caso o TCAN considere o partido JPP parte ilegítima, o pedido de perda de mandato poderá ser tido como improcedente, acabando os réus por serem absolvidos.

É, no entanto, expectável que o Ministério Público recorra da decisão, apresentando a mesma queixa, voltando tudo à estaca zero. A partir daqui, é provável que o término deste processo se estenda para além do mandato em curso, que terminará nas autárquicas de 2021.

COMENTE

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem o NOTÍCIAS MAIA, jornal digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O NOTÍCIAS MAIA é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler o NOTÍCIAS MAIA, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar o NOTÍCIAS MAIA - e só demora um minuto. Obrigado.

Publicidade

Publicidade

media & meios

Newsletter

Top